fonte: O Globo

Crianças de 8 anos de idade devem ser examinadas para ansiedade e aquelas com 12 anos ou mais para depressão, de acordo com novas recomendações da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA (USPSTF), apoiada pelo governo.

A orientação para profissionais de saúde, ainda em rascunho, se aplica a crianças e adolescentes que não apresentam sinais ou sintomas dessas condições.

“Para atender à necessidade crítica de apoiar a saúde mental de crianças e adolescentes na atenção primária, a Força-Tarefa analisou as evidências sobre a triagem de ansiedade, depressão e risco de suicídio”, disse Martha Kubik, membro da força-tarefa, da Universidade George Mason, em um comunicado. “Felizmente, descobrimos que a triagem de crianças mais velhas para ansiedade e depressão é eficaz na identificação dessas condições”.

Os cuidados de acompanhamento podem reduzir os sintomas de depressão e podem melhorar e potencialmente resolver a ansiedade, disse o comunicado.

Embora o problema de problemas de saúde mental não diagnosticados em crianças seja anterior à pandemia da Covid-19, médicos e psicólogos alertaram que o impacto da crise de saúde em algumas crianças pode ser traumático.

Escolas online, quarentenas, requisitos de distanciamento social, uso de máscaras e outras mudanças no estilo de vida podem ter impactos significativos na saúde mental das crianças, disseram especialistas.

O transtorno de ansiedade, uma condição de saúde mental comum nos Estados Unidos, é composto por um grupo de condições relacionadas caracterizadas por medo ou preocupação excessivos que se apresentam como sintomas emocionais e físicos. A Pesquisa Nacional de Saúde Infantil de 2018–2019 descobriu que 7,8% das crianças e adolescentes de 3 a 17 anos apresentavam um transtorno de ansiedade atual. Os transtornos de ansiedade na infância e adolescência estão associados a uma maior probabilidade de um futuro transtorno de ansiedade ou depressão.

O USPSTF não encontrou evidências suficientes para determinar se seria benéfico rastrear crianças para ansiedade antes dos 8 anos ou para depressão antes dos 12 anos, ou se rastrear crianças para risco de suicídio. As ferramentas de diagnóstico disponíveis ainda não são precisas na detecção do transtorno em crianças menores, afirmam os especialistas.

“Mais pesquisas sobre essas condições importantes são críticas”, disse Lori Pbert, membro da força-tarefa, da Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts. “Enquanto isso, os profissionais de saúde devem usar seu julgamento clínico com base nas circunstâncias individuais do paciente ao decidir se devem ou não rastrear”.