fonte: Correio Braziliense

Um novo estudo liderado pelo Hospital Infantil de Boston, nos Estados Unidos, e publicado, nesta semana, na revista Pediatrics mostra que mais de 25% das crianças norte-americanas hospitalizadas em função da infecção pelo novo coronavírus apresentaram problemas de saúde de dois a quatro meses depois da internação.

O estudo de acompanhamento envolveu 279 crianças e adolescentes, com até 21 anos, atendidos em 25 hospitais pediátricos dos Estados Unidos em função da covid-19 ou da síndrome inflamatória multissistêmica em crianças (MIS-C), uma complicação associada à infecção pelo Sars-CoV-2. O período analisado no estudo — entre maio de 2020 e maio de 2021, transcorreu antes que as vacinas contra o coronavírus estivessem disponíveis para essa faixa etária.

Entre os hospitalizados, 40% tinham covid-19 aguda e 60%, MIS-C. A porcentagem de internados na unidade de terapia intensiva (UTI) foi, respectivamente, de 56% e 86%. Adrienne Randolph, professora de pediatria em Harvard e médica na unidade de terapia intensiva (UTI) pediátrica do Hospital Infantil de Boston, conta que a maioria das crianças observadas que desenvolveram MIS-C era previamente saudável, e as que desenvolveram covid19 grave já tinham complicações de saúde, principalmente respiratórias. “Ambas as doenças podem desenvolver risco à vida de crianças e adolescentes e ocasionar sequelas”, destaca a também líder do estudo.

No monitoramento de dois a quatro meses, 27% dos pacientes com covid aguda e 30% daqueles com MIS-C apresentaram sintomas persistentes.

Após a hospitalização por covid-19, os jovens manifestaram com mais frequência sintomas respiratórios, como tosse (9,2%), falta de ar (9,2%) e fadiga (11,3%), e estavam, em geral, mais sonolentos do que antes da doença. Em pacientes que foram hospitalizados com MIS-C, os sintomas mais comuns foram tosse contínua (2,5%) e falta de ar (2,5%), principalmente naqueles que tinham diagnóstico de asma antes de adoecer.

Os acometidos pela síndrome também apresentaram impasses para realizar atividades rotineiras, especialmente aqueles que eram obesos.
O comprometimento da disposição física foi um pouco mais comum após o MIS-C (afetando 21,3% das crianças) do que após a covid-19 aguda (14,3%).

Segundo relatos dos cuidadores entrevistados: 6,7% do grupo com covid-19 e 14,4% do grupo com MIS-C não podiam andar ou se exercitar tanto quanto antes; 6,7% e 7,5%, respectivamente, estavam dormindo muito mais do que o habitual; e 4,2% e 3,8%, respectivamente, tiveram dificuldade em fazer os trabalhos escolares ou se sentiram distraídos e incapazes de se concentrar.

De acordo com Eitan Berezin, infectologista pediátrico e membro do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria, a MIS-C é associada à covid e pode ser vista como um fenômeno posterior à infecção pelo coronavírus.

A síndrome inflamatória manifesta sintomas que lembram a doença de Kawasaki, uma enfermidade rara que provoca inflamação nas paredes dos vasos sanguíneos de crianças pequenas. “Ela apresenta um quadro de gravidade e, comumente, é descoberta meses depois da infecção pelo coronavírus”, afirma Berezin. Os sintomas mais comuns são febre alta e persistente, inchaço pelo corpo, dores abdominais e diarreia.

Vacinação

Esse fenômeno de não recuperação total dos pacientes depois da infecção pelo Sars-CoV-2 é chamado de covid longa. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 10% a 20% das pessoas que tiveram a doença sofrem com esses sintomas após se recuperarem da fase aguda.

Eles surgem em até três meses após a contaminação, duram pelo menos dois meses e não podem ser explicados por um diagnóstico alternativo. Berezin explica que essas complicações são melhor descritas em adultos: “Só agora que começamos a ver estudos na área pediátrica”.

A vacinação contra o coronavírus é essencial para prevenir casos mais graves de covid e MIS-C, como os observados no estudo, reitera Randolph. “É importante prevenir essas doenças com a vacinação, mesmo que crianças e adolescentes tenham, em geral, menos risco de desenvolver um quadro grave do que os adultos mais velhos”.

Questionada sobre as pesquisas futuras do grupo que lidera, a pediatra informou que uma investigação está em andamento sobre como o desenvolvimento de MIS-C e covid-19 aguda em crianças afeta as funções neurológicas e a qualidade de vida.

“Também estamos pesquisando sobre a eficácia das vacinas disponíveis para crianças e adolescentes contra as novas variantes do Sasr-CoV-2”, adianta.